CENIPA - Recomendação de Segurança
Recomendações de Segurança
a

Relatórios Finais Publicados | Total de registros: 3922

anterior 12 ... 29 30 31 32 33
NÚMERO DA RECOMENDAÇÃO DATA RECOMENDAÇÃO DE SEGURANÇA DESTINATÁRIO CLASSIFICAÇÃO MATRICULA TIPO SITUAÇÃO
015/C/0719/03/2007Divulgar o presente relatório para os operadores na sua área de atuação, reforçando os aspectos afetos aos fatores contribuintes.PRIMEIRO SERVIÇO REGIONAL DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOSACIDENTEPTFSECOLISÃO EM VOO COM OBSTÁCULOCUMPRIDA
016/C/0719/03/2007Estudar a possibilidade de incluir na IAC 118-1001 a obrigatoriedade de estruturação do setor de treinamento de uma empresa, com pessoal designado para implementação do Programa de Treinamento proposto à ANAC.AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVILACIDENTEPTFSECOLISÃO EM VOO COM OBSTÁCULOCUMPRIDA
017/C/0719/03/2007Estudar a possibilidade de incluir nas IAC pertinentes a obrigatoriedade das empresas manterem registros dos treinamentos de seus tripulantes.AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVILACIDENTEPTFSECOLISÃO EM VOO COM OBSTÁCULOCUMPRIDA
018/C/0719/03/2007Efetuar, através de sua Gerência-Geral de Investigação e Prevenção, uma Vistoria de Segurança na empresa TEAM.AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVILACIDENTEPTFSECOLISÃO EM VOO COM OBSTÁCULO***
019/C/0719/03/2007Adotar medidas de supervisão que garantam a conformidade dos documentos e certificados emitidos.AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVILACIDENTEPTFSECOLISÃO EM VOO COM OBSTÁCULOCUMPRIDA
020/C/0719/03/2007Deverá providenciar a estruturação do setor de treinamento, com pessoal designado para implementação do Programa de Treinamento proposta à ANAC.TEAM LINHAS AÉREASACIDENTEPTFSECOLISÃO EM VOO COM OBSTÁCULO***
021/C/0719/03/2007Deverá, de acordo com o Programa de Treinamento aprovado, e conforme a IAC 060/1002A, aplicar o treinamento de CRM, visando, dentre outros, o aprimoramento do alerta situacional, da consciência situacional e da comunicação entre os tripulantes.TEAM LINHAS AÉREASACIDENTEPTFSECOLISÃO EM VOO COM OBSTÁCULO***
022/C/0719/03/2007Deverá verificar o funcionamento dos gravadores de vôo instalados nas suas aeronaves.TEAM LINHAS AÉREASACIDENTEPTFSECOLISÃO EM VOO COM OBSTÁCULO***
023/C/0719/03/2007Deverá providenciar a elaboração de um procedimento para registro e arquivo de documentos das atividades de instrução, que envolverem seus tripulantes técnicos e o pessoal da manutenção, a fim de cumprir no item 4.2.2, página 7, da IAC 118-1001.TEAM LINHAS AÉREASACIDENTEPTFSECOLISÃO EM VOO COM OBSTÁCULO***
024/C/0719/03/2007Deverá estabelecer procedimentos adequados para o lançamento das discrepâncias no Livro de Bordo e/ou abertura de OS pela manutenção.TEAM LINHAS AÉREASACIDENTEPTFSECOLISÃO EM VOO COM OBSTÁCULO***
025/C/0719/03/2007Deverá implementar, efetivamente, os subprogramas previstos no PPAA.TEAM LINHAS AÉREASACIDENTEPTFSECOLISÃO EM VOO COM OBSTÁCULO***
026/C/0719/03/2007Deverá reavaliar o Programa de CFIT e a sua lista de avaliação de risco.TEAM LINHAS AÉREASACIDENTEPTFSECOLISÃO EM VOO COM OBSTÁCULO***
027/C/0719/03/2007Deverá estabelecer diretrizes claras em seu MGO/SOP, estabelecendo limites ou condições, no que diz respeito às decisões a serem tomadas pelos seus tripulantes nas mudanças do plano de vôo previsto.TEAM LINHAS AÉREASACIDENTEPTFSECOLISÃO EM VOO COM OBSTÁCULO***
013/C/0709/03/2007Realizar, sob a supervisão da Divisão Operacional dos órgãos regionais de Controle do Espaço Aéreo (Centros Integrados de Defesa Aérea I, II, III e IV e do Serviço Regional de Proteção ao Vôo de São Paulo) a revisão conjunta e coordenada dos modelos, manuais, acordos operacionais e planos de contingência envolvendo suas áreas de jurisdição, permitindo que os mesmos sejam compatibilizados, evitando, desta forma, a execução de procedimentos divergentes entre os órgãos ATS.DEPARTAMENTO DE CONTROLE DE ESPAÇO AÉREOACIDENTEPTFSECOLISÃO EM VOO COM OBSTÁCULO***
014/C/0709/03/2007Planejar e executar treinamento de requalificação e manutenção operacional, de forma periódica e sistemática, com intervalo inferior a três anos para os órgãos de maior demanda de tráfego aéreo, dos controladores de trafego aéreo (DECEA, INFRAERO, Comando da Marinha, Comando do Exército, DAESP e prestadores de serviço de tráfego aéreo), no tocante à operação convencional, degradação, fraseologia (convencional, inglesa e de emergência), supervisão e coordenação, além de outros assuntos considerados pertinentes.DEPARTAMENTO DE CONTROLE DE ESPAÇO AÉREOACIDENTEPTFSECOLISÃO EM VOO COM OBSTÁCULO***
260/A/0622/12/2006Revisar a AIP BRASIL, visando sua atualização, com ênfase no processo de inclusão de regras e procedimentos de tráfego aéreo brasileiro.DEPARTAMENTO DE CONTROLE DE ESPAÇO AÉREOACIDENTEPRGTDCOLISÃO DE AERONAVES EM VOOCUMPRIDA
261/A/0622/12/2006Instruir os controladores de tráfego aéreo, no que diz respeito ao cumprimento das autorizações de tráfego aéreo a serem transmitidas aos pilotos, considerando os itens 8.4.8, 8.4.9 e 8.4.10 da ICA 100-12 REGRAS DO AR E SERVIÇOS DE TRÁFEGO AÉREO.DEPARTAMENTO DE CONTROLE DE ESPAÇO AÉREOACIDENTEPRGTDCOLISÃO DE AERONAVES EM VOOCUMPRIDA
262/A/0622/12/2006Assegurar o nível de proficiência na língua inglesa de todos os ATCO do SISCEAB, bem como proves os meios necessários, a fim de atender os SARP preconizados, conforme definido no DOC 9835 e ANEXO 1 da OACI.DEPARTAMENTO DE CONTROLE DE ESPAÇO AÉREOACIDENTEPRGTDCOLISÃO DE AERONAVES EM VOOCUMPRIDA
263/A/0622/12/2006Assegurar que os ATCO cumpram, na íntegra, todos os procedimentos de transferência de controle de tráfego aéreo entre órgãos ATC adjacentes e ou setores operacionais do mesmo órgão.DEPARTAMENTO DE CONTROLE DE ESPAÇO AÉREOACIDENTEPRGTDCOLISÃO DE AERONAVES EM VOOCUMPRIDA
264/A/0622/12/2006Assegurar que os procedimentos previstos para falha de comunicações aeroterrestres sejam cumpridos, na íntegra, pelos órgãos ATC.DEPARTAMENTO DE CONTROLE DE ESPAÇO AÉREOACIDENTEPRGTDCOLISÃO DE AERONAVES EM VOOCUMPRIDA
265/A/0622/12/2006Assegurar que todos seus ATCO participem de reciclagem específica da regulamentação do SISCEAB, considerando também as recomendações de letras b), c), d) e e) deste documento.DEPARTAMENTO DE CONTROLE DE ESPAÇO AÉREOACIDENTEPRGTDCOLISÃO DE AERONAVES EM VOOCUMPRIDA
266/A/0622/12/2006Implementar nova apresentação (sistema efetivo de alerta) da informação de perda do modo *C* nas consoles radar, nos softweres em uso pelo SISCEAB, de forma a incrementar a consciência situacional dos ATCO .DEPARTAMENTO DE CONTROLE DE ESPAÇO AÉREOACIDENTEPRGTDCOLISÃO DE AERONAVES EM VOOCUMPRIDA
267/A/0622/12/2006Implementar nova apresentação (sistema efetivo de alerta) da informação de perda do modo *C* nas consoles radar, nos softwares em uso pelo SISCEAB, de forma a incrementar a consciência situacional dos ATCO.DEPARTAMENTO DE CONTROLE DE ESPAÇO AÉREOACIDENTEPRGTDCOLISÃO DE AERONAVES EM VOOCUMPRIDA
268/A/0622/12/2006Realizar Vistoria de Segurança de Vôo Especial nas seguintes organizações: GOL Linhas Aéreas, BOEING, EMBRAER (SJC e EPTA-GPX), DECEA (CINDACTA 1 e 4, SRPV-SP, DTCEA-SJC, DTCEA-SP, DTCEA-CC e GEIV).CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOSACIDENTEPRGTDCOLISÃO DE AERONAVES EM VOOAGUARDANDO RESPOSTA
260/A/0622/12/2006Revisar a AIP BRASIL, visando sua atualização, com ênfase no processo de inclusão de regras e procedimentos de tráfego aéreo brasileiro.DEPARTAMENTO DE CONTROLE DE ESPAÇO AÉREOACIDENTEN600XLCOLISÃO DE AERONAVES EM VOOCUMPRIDA
261/A/0622/12/2006Instruir os controladores de tráfego aéreo, no que diz respeito ao cumprimento das autorizações de tráfego aéreo a serem transmitidas aos pilotos, considerando os itens 8.4.8, 8.4.9 e 8.4.10 da ICA 100-12 REGRAS DO AR E SERVIÇOS DE TRÁFEGO AÉREO.DEPARTAMENTO DE CONTROLE DE ESPAÇO AÉREOACIDENTEN600XLCOLISÃO DE AERONAVES EM VOOCUMPRIDA
262/A/0622/12/2006Assegurar o nível de proficiência na língua inglesa de todos os ATCO do SISCEAB, bem como proves os meios necessários, a fim de atender os SARP preconizados, conforme definido no DOC 9835 e ANEXO 1 da OACI.DEPARTAMENTO DE CONTROLE DE ESPAÇO AÉREOACIDENTEN600XLCOLISÃO DE AERONAVES EM VOOCUMPRIDA
263/A/0622/12/2006Assegurar que os ATCO cumpram, na íntegra, todos os procedimentos de transferência de controle de tráfego aéreo entre órgãos ATC adjacentes e ou setores operacionais do mesmo órgão.DEPARTAMENTO DE CONTROLE DE ESPAÇO AÉREOACIDENTEN600XLCOLISÃO DE AERONAVES EM VOOCUMPRIDA
264/A/0622/12/2006Assegurar que os procedimentos previstos para falha de comunicações aeroterrestres sejam cumpridos, na íntegra, pelos órgãos ATC.DEPARTAMENTO DE CONTROLE DE ESPAÇO AÉREOACIDENTEN600XLCOLISÃO DE AERONAVES EM VOOCUMPRIDA
265/A/0622/12/2006Assegurar que todos seus ATCO participem de reciclagem específica da regulamentação do SISCEAB, considerando também as recomendações de letras b), c), d) e e) deste documento.DEPARTAMENTO DE CONTROLE DE ESPAÇO AÉREOACIDENTEN600XLCOLISÃO DE AERONAVES EM VOOCUMPRIDA
266/A/0622/12/2006Implementar nova apresentação (sistema efetivo de alerta) da informação de perda do modo *C* nas consoles radar, nos softweres em uso pelo SISCEAB, de forma a incrementar a consciência situacional dos ATCO .DEPARTAMENTO DE CONTROLE DE ESPAÇO AÉREOACIDENTEN600XLCOLISÃO DE AERONAVES EM VOOCUMPRIDA
267/A/0622/12/2006Implementar nova apresentação (sistema efetivo de alerta) da informação de perda do modo *C* nas consoles radar, nos softwares em uso pelo SISCEAB, de forma a incrementar a consciência situacional dos ATCO.DEPARTAMENTO DE CONTROLE DE ESPAÇO AÉREOACIDENTEN600XLCOLISÃO DE AERONAVES EM VOOCUMPRIDA
268/A/0622/12/2006Realizar Vistoria de Segurança de Vôo Especial nas seguintes organizações: GOL Linhas Aéreas, BOEING, EMBRAER (SJC e EPTA-GPX), DECEA (CINDACTA 1 e 4, SRPV-SP, DTCEA-SJC, DTCEA-SP, DTCEA-CC e GEIV).CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOSACIDENTEN600XLCOLISÃO DE AERONAVES EM VOOAGUARDANDO RESPOSTA
SN/A/2006 - SERAC 301/12/2006Determinar a todos os seus pilotos a cumprirem, rigorosamente, todos os itens do procedimento de falha do motor na decolagem, conforme previsto em Manual de Operação, avaliando as condições da área escolhida para uma aterragem forçada.AEROCLUBES E ESCOLAS DE AVIAÇÃOACIDENTEPTDFKFALHA DO MOTOR EM VOOAGUARDANDO RESPOSTA
SN/A/2006 - SERAC 301/12/2006Ministrar instrução de filosofia e princípios de CRM aos seus pilotos, principalmente instrutores e alunos, destacando a necessidade de assertividade em todas as situações, de modo a expor todas as preocupações e ansiedades que afetam o voo, independentemente da função à bordo ou experiência do outro tripulante.AEROCLUBES E ESCOLAS DE AVIAÇÃOACIDENTEPTDFKFALHA DO MOTOR EM VOOAGUARDANDO RESPOSTA
SN/A/2006 - SERAC 301/11/2006Efetuar verificações de solo (inspeção visual do estado geral e cheque completo de motor) quando da ocorrência de qualquer indício de falha de motor, somente prosseguindo no voo após o diagnóstico do problema e a execução do serviço de manutenção corretivo.OPERADORAS DA AVIAÇÃO GERALACIDENTEPTDFKFALHA DO MOTOR EM VOOAGUARDANDO RESPOSTA
059/B/0518/11/2005Deverá manter um controle fiel de todas as documentações de suas aeronaves (IAC 3151 e 3152), bem como dos componentes nelas instalados.AGROPENA AVIAÇÃO AGRÍCOLAACIDENTEPTDPFFALHA DO MOTOR EM VOOAGUARDANDO RESPOSTA
060/B/0518/11/2005Realizar uma vistoria de Segurança de Vôo Especial na Agropena Aviação Agrícola Ltda, verificando as condições operacionais da entidade, dando especial atenção aos fatos levantados no presente relatório.QUARTO SERVIÇO REGIONAL DE AVIAÇÃO CIVILACIDENTEPTDPFFALHA DO MOTOR EM VOOAGUARDANDO RESPOSTA
061/B/0518/11/2005Elaborar e encaminhar uma DIVOP para as Escolas de Aviação, Aeroclubes, Táxi Aéreos, HELIPARK, HELICIDADE, GRPAe, SAT, Sindicatos e Associações da sua área de atuação a fim de que esses divulguem os ensinamentos.QUARTO SERVIÇO REGIONAL DE AVIAÇÃO CIVILACIDENTEPTDPFFALHA DO MOTOR EM VOOAGUARDANDO RESPOSTA
RSV(A)-39/A/200525/10/2005Recomenda-se, no prazo de três meses, dotar o GPMA de uma seção Aeromédica, composta por um profissional especializado em Medicina de Aviação, para fazer o acompanhamento físico e psicológico dos tripulantes, a fim de apontar eventuais desvios operacionais resultantes do estresse e do sentimento de invulnerabilidade, aspectos estes considerados característicos da corporação policial militar e contribuintes de muitos acidentes aeronáuticos.BRIGADA MILITAR DO RIO GRANDE DO SULACIDENTEPPEOBCOLISÃO EM VOO COM OBSTÁCULOAGUARDANDO RESPOSTA
RSV(A)-40/A/200525/10/2005Deverá providenciar o cumprimento, imediatamente, da IAC 3255, que trata da Concessão de Certificado de Operador de Equipamento Especial (OEE), a qual exige um Certificado de Habilitação Técnica (CHT) e um Certificado de Capacidade Física (CCF) apropriados e válidos, para o tripulante em questão.BRIGADA MILITAR DO RIO GRANDE DO SULACIDENTEPPEOBCOLISÃO EM VOO COM OBSTÁCULOAGUARDANDO RESPOSTA
RSV(A)-41/A/200525/10/2005Deverá providenciar, de imediato, a habilitação requerida de Planador (PLN) para todos os pilotos do GPMA que operem a aeronave AMT-200 Ximango, conforme previsto no RBHA 61 e no Código Brasileiro de Aeronáutica (CBA).BRIGADA MILITAR DO RIO GRANDE DO SULACIDENTEPPEOBCOLISÃO EM VOO COM OBSTÁCULOAGUARDANDO RESPOSTA
RSV(A)-42/A/200525/10/2005Realizar, semanalmente, uma reunião com o Quadro de Pilotos do GPMA, de forma a sistematizar a coleta de informações sobre o treinamento dos mesmos, a avaliação da instrução, divulgação de DIVOPs e assuntos de segurança de voo, bem como realizar provas (Ground School, Emergências, Procedimentos Operacionais, Tráfego Aéreo, Meteorologia, etc), imediatamente após o recebimento desta Recomendação de Segurança de Voo.BRIGADA MILITAR DO RIO GRANDE DO SULACIDENTEPPEOBCOLISÃO EM VOO COM OBSTÁCULOAGUARDANDO RESPOSTA
RSV(A)-43/A/200525/10/2005Implantar, no prazo de três meses, um Programa de Gerenciamento de Risco Operacional na Atividade Aérea (MSGR), com a finalidade de avaliar a aceitabilidade dos riscos assumidos na operação aérea policial, face aos objetivos da mesma. A inadequada supervisão dos níveis mais primários do gerenciamento do risco dá margem ao surgimento de situações críticas que fogem das condições seguras que a atividade aérea exige.BRIGADA MILITAR DO RIO GRANDE DO SULACIDENTEPPEOBCOLISÃO EM VOO COM OBSTÁCULOAGUARDANDO RESPOSTA
RSV(A)-44/A/200525/10/2005Deverá determinar, no prazo de seis meses, a elaboração, divulgação e emprego de um Manual de Procedimentos que estabeleça padrões operacionais para as missões aéreas especiais do GPMA, tais como Carga Externa de helicóptero, Salvamento, Resgate e Aero patrulhamento.BRIGADA MILITAR DO RIO GRANDE DO SULACIDENTEPPEOBCOLISÃO EM VOO COM OBSTÁCULOAGUARDANDO RESPOSTA
RSV(A)-45/A/200525/10/2005Recomenda-se restringir, de imediato, os tipos de equipamentos a serem voados por cada piloto, limitando em, no máximo, duas aeronaves diferentes. Tal recomendação visa evitar a transferência negativa de aprendizado e condicionamento, haja vista a diversidade de aeronaves que compõe a frota do GPMA (motoplanadores, aviões monomotor, aviões bimotor e helicópteros).BRIGADA MILITAR DO RIO GRANDE DO SULACIDENTEPPEOBCOLISÃO EM VOO COM OBSTÁCULOAGUARDANDO RESPOSTA
RSV(A)-46/A/200525/10/2005Proceder à imediata comunicação da ocorrência de todo e qualquer acidente ou incidente aeronáutico no âmbito do GPMA, para a organização da Aeronáutica mais próxima, pelo meio mais rápido disponível, conforme previsto no art. 88 do Código Brasileiro de Aeronáutica (CBA) e na NSMA 3-5, de 30 de janeiro de 1996, do SIPAER.BRIGADA MILITAR DO RIO GRANDE DO SULACIDENTEPPEOBCOLISÃO EM VOO COM OBSTÁCULOAGUARDANDO RESPOSTA
RSV(A)-47/A/200525/10/2005Exigir, imediatamente, de seus tripulantes, o correto preenchimento do diário de Bordo, completando todos os campos previstos na Parte I (REGISTROS DE VOO), bem como da Parte II (SITUAÇÃO TÉCNICA DA AERONAVE), principalmente no tocante às horas de célula.BRIGADA MILITAR DO RIO GRANDE DO SULACIDENTEPPEOBCOLISÃO EM VOO COM OBSTÁCULOAGUARDANDO RESPOSTA
RSV(A)-48/A/200525/10/2005Determinar, imediatamente, a utilização obrigatória de macacões e luvas de voo em tecido antichama para pilotos e tripulantes técnicos, para compor o vestuário operacional dos aeronavegantes da Brigada Militar.BRIGADA MILITAR DO RIO GRANDE DO SULACIDENTEPPEOBCOLISÃO EM VOO COM OBSTÁCULOAGUARDANDO RESPOSTA
RSV(A)-49/A/200525/10/2005Providenciar o imediato cumprimento das não conformidades pendentes no Relatório da Vistoria Especial de Segurança de Voo (VESV), de 09 de dezembro de 2004, realizada pelo SERAC-5 (demarcação da área de circulação nas laterais do Hangar e substituição de cintos de segurança com sinais de deterioração).BRIGADA MILITAR DO RIO GRANDE DO SULACIDENTEPPEOBCOLISÃO EM VOO COM OBSTÁCULOAGUARDANDO RESPOSTA
RSV(A)-50/A/200525/10/2005Divulgar, em reuniões periódicas de seu Quadro de Tripulantes (QT), as informações e ensinamentos contidos neste relatório.BRIGADA MILITAR DO RIO GRANDE DO SULACIDENTEPPEOBCOLISÃO EM VOO COM OBSTÁCULOAGUARDANDO RESPOSTA
RSV(A)-51/B/200525/10/2005Realizar, no prazo de três meses, uma Vistoria Especial de Segurança de Voo na área de Operações Aéreas (particularmente na instrução) do GPMA, focando os aspectos de formação e treinamento de pilotos (destacando as precauções adicionais que deverão ser observadas quando da realização de treinamento de pane simulada após a decolagem), bem como avaliando a efetividade do Programa de Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (PPAA) daquela organização (exigir um acompanhamento sistemático do desempenho dos pilotos, tanto no fator operacional como nos fatores humanos ? aspectos físico e psicológico).QUINTO SERVIÇO REGIONAL DE AVIAÇÃO CIVILACIDENTEPPEOBCOLISÃO EM VOO COM OBSTÁCULOAGUARDANDO RESPOSTA
RSV(A)-52/B/200525/10/2005Realizar, no prazo de três meses, uma Vistoria Especial de Segurança de Voo no aeroclube do Rio Grande do Sul (ARGS), para verificar a adequação dos equipamentos de combate a incêndio, condições de funcionamento, capacidade de agente extintor (conforme ICA 92-1 ?Nível de Proteção de Contra Incêndio em Aeródromos?, de 24 de janeiro de 2000, da DIRENG) e alerta de equipes de salvamento no aeródromo de Belém Novo (SSBN), bem como a sequência de acionamento de seu PEAA.QUINTO SERVIÇO REGIONAL DE AVIAÇÃO CIVILACIDENTEPPEOBCOLISÃO EM VOO COM OBSTÁCULOAGUARDANDO RESPOSTA
RSV(A)-53/A/200525/10/2005Ministrar, imediatamente, a instrução adequada e exigir a utilização obrigatória, por parte dos operadores de serviço de Plantão de Operações (PO) do ARGS, da fraseologia padrão de radiotelefonia aeronáutica (conforme previsto no Cap. 15 FRASEOLOGIA da IMA 100-12 ?Regras do Ar e Serviços de Tráfego Aéreo?, de 30 de junho de 1999), bem como orientá-los a respeito do correto acionamento do Plano de Emergência Aeronáutica em Aeródromo (PEAA) do ARGS.AEROCLUBE DO RIO GRANDE DO SULACIDENTEPPEOBCOLISÃO EM VOO COM OBSTÁCULOAGUARDANDO RESPOSTA
RSV(A)-54/A/200525/10/2005Ministrar, imediatamente, a instrução adequada e exigir a utilização obrigatória, por parte dos operadores de serviço de Plantão de Operações (PO) do ARGS, da fraseologia padrão de radiotelefonia aeronáutica (conforme previsto no Cap. 15 FRASEOLOGIA da IMA 100-12 ?Regras do Ar e Serviços de Tráfego Aéreo?, de 30 de junho de 1999), bem como orientá-los a respeito do correto acionamento do Plano de Emergência Aeronáutica em Aeródromo (PEAA) do ARGS.AEROCLUBE DO RIO GRANDE DO SULACIDENTEPPEOBCOLISÃO EM VOO COM OBSTÁCULOAGUARDANDO RESPOSTA
RSV(A)-54/A/200525/10/2005Refazer, no prazo de um mês, o fluxograma de comunicação de emergência (item 8.3) de seu Plano de Emergência Aeronáutica em Aeródromo (PEAA), de modo a interligar diretamente o Instrutor Responsável (IR) ao telefonista do ARGS substituindo, também, no referido fluxograma, o órgão DIPAA (do DAC) pelo órgão SERAC-5.AEROCLUBE DO RIO GRANDE DO SULACIDENTEPPEOBCOLISÃO EM VOO COM OBSTÁCULOAGUARDANDO RESPOSTA
RSV(A)-55/A/200525/10/2005Exigir, de imediato, que o Instrutor Responsável (IR) do ARGS escalado de serviço, permaneça de sobreaviso nas dependências daquela instituição, de modo que possa desencadear as ações previstas no PEAA do Aeródromo de Belém Novo, de modo tempestivo e coordenadamente.AEROCLUBE DO RIO GRANDE DO SULACIDENTEPPEOBCOLISÃO EM VOO COM OBSTÁCULOAGUARDANDO RESPOSTA
RSV(A)-56/A/200525/10/2005Efetuar gerências junto ao Comando do Corpo de Bombeiros da Brigada Militar, no sentido de se viabilizar a instalação de uma unidade do Corpo de Bombeiros próxima ao aeródromo de Belém Novo, face a dificuldade, percebida neste acidente, da unidade de combate a incêndio do ARGS em debelar as chamas, mesmo em se tratando de sinistro com aeronave de pequeno porte.AEROCLUBE DO RIO GRANDE DO SULACIDENTEPPEOBCOLISÃO EM VOO COM OBSTÁCULOAGUARDANDO RESPOSTA
RSV(A)-57/A/200525/10/2005Visando melhorar a segurança da aeronave AMT-200 ?Ximango?, deverá estudar, imediatamente após o recebimento desta Recomendação de Segurança de Voo, a viabilidade de se substituir os atuais tanques de combustível fabricados em fibra de vidro, por tanques de alumínio, com a finalidade de aumentar a resistência dos mesmos em face do cisalhamento em impactos de grande energia, pois os atuais tanques de combustível podem romper-se e incendiar-se com mais facilidadeAEROMOT INDÚSTRIA MECÂNICO METALÚRGICA LTDAACIDENTEPPEOBCOLISÃO EM VOO COM OBSTÁCULOAGUARDANDO RESPOSTA
031/B/0511/10/2005Enviar extrato deste Relatório ao Sindicato Nacional das Empresas de Aviação Agrícola (SINDAG), como forma de alerta para ocorrências deste tipo.QUINTO SERVIÇO REGIONAL DE AVIAÇÃO CIVILACIDENTEPTGGNMANOBRAS A BAIXA ALTURACUMPRIDA
032/B/0511/10/2005Enviar um extrato deste Relatório a todos os checadores credenciados da aviação agrícola de sua área de responsabilidade, orientando-os que em todos os voos de cheque apresentem ao examinando os fatos neles descritos.QUINTO SERVIÇO REGIONAL DE AVIAÇÃO CIVILACIDENTEPTGGNMANOBRAS A BAIXA ALTURAAGUARDANDO RESPOSTA
033/B/0511/10/2005Programar uma jornada de segurança de voo, específica para a aviação agrícola, convidando para uma mesa de discussão, pilotos que sofreram acidentes na realização desses voos, como forma de aumentar o grau de percepção de risco por parte de todos os envolvidos.QUINTO SERVIÇO REGIONAL DE AVIAÇÃO CIVILACIDENTEPTGGNMANOBRAS A BAIXA ALTURACUMPRIDA
033/B/0518/03/2005Promover instrução teórica para seu quadro de tripulante quanto aos aspectos de planejamento execução do vôo à baixa altura, no que concerne à observação das Regras de Tráfego Aéreo e cuidados com obstáculos.AEROMED SERVIÇO E TÁXI AÉREOACIDENTEPTYAMCOLISÃO EM VOO COM OBSTÁCULOAGUARDANDO RESPOSTA
034/C/0518/03/2005Divulgar este acidente através de DIVOP às empresas aéreas de helicópteros que prestam serviços de vistoria/inspeção nas linhas aéreas de transmissão de energia elétrica.DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVILACIDENTEPTYAMCOLISÃO EM VOO COM OBSTÁCULO***
035/C/0518/03/2005Propor à Agência Nacional de Energia Elétrica a execução de uma orientação às concessionárias e empresas distribuidoras de energia elétrica para o cumprimento da Portaria 1141/GM5, de 08/12/87 do COMAER e da NBR 7276 *Sinalização de advertência em linhas aéreas de transmissão de energia elétrica*, de maio de 1993 da Associação Brasileira de Normas Técnicas.DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVILACIDENTEPTYAMCOLISÃO EM VOO COM OBSTÁCULO***
017/A/0528/02/2005Intensificar a fiscalização do setor de instrução das empresas que operam segundo o RBHA 135 e 121, no que tange aos requisitos mínimos para obtenção da qualificação de instrutor, contidos nos respectivos RBHA, incentivando-os a aperfeiçoar o processo de seleção e recrutamento de instrutores, não somente no principio da senioridade e experiência adquirida em voo, mas também exigindo características individuais que contemplem: maturidade, estabilidade emocional, habilidade para manter relações interpessoais com alunos e habilidades e técnicas exigidas para um eficaz processo de treinamento.DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVILACIDENTEPTHNOPERDA DE CONTROLE EM VOOAGUARDANDO RESPOSTA
018/A/0528/02/2005Realizar uma vistoria de segurança de voo especial na PHC Táxi Aéreo, verificando as condições operacionais da empresa.QUARTO SERVIÇO REGIONAL DE AVIAÇÃO CIVILACIDENTEPTHNOPERDA DE CONTROLE EM VOOAGUARDANDO RESPOSTA
031/200805/12/2003Exigir o cumprimento das instruções previstas para os tripulantes e para o pessoal de apoio da empresa, de acordo com o Programa de Treinamento aprovado.HELISUL TÁXI AÉREOINCIDENTE GRAVEPTHEOFALHA DO MOTOR EM VOOAGUARDANDO RESPOSTA
107/A/0303/07/2003SÉTIMO SERVIÇO REGIONAL DE AVIAÇÃO CIVILACIDENTEPTKTQFALHA DO MOTOR EM VOOAGUARDANDO RESPOSTA
107/A/0303/07/2003Programar uma Vistoria de Segurança de Voo na oficina ROMA-Rondônia Manutenção de Aeronaves Ltda.SÉTIMO SERVIÇO REGIONAL DE AVIAÇÃO CIVILACIDENTEPTKTQFALHA DO MOTOR EM VOOAGUARDANDO RESPOSTA
108/A/0303/07/2003Programar uma Vistoria de Segurança de Voo nos escritórios da FUNAI, na Região Norte, com o objetivo de efetivar uma Política de Segurança de Voo na instituição, visando à: a)criação de um setor específico que acompanhe o pessoal de voo# e b)promoção de um programa de treinamento (teórico e prático), avaliação de desempenho e acompanhamento sistemático de pilotos e mecânicos.SÉTIMO SERVIÇO REGIONAL DE AVIAÇÃO CIVILACIDENTEPTKTQFALHA DO MOTOR EM VOONÃO CUMPRIDA
109/A/0303/07/2003Implementar, no Programa de Prevenção de Acidentes Aeronáuticos, palestras relativas aos registros dos serviços de manutenção em aeronaves da aviação geral e pequeno porte e a importância que esses registros possuem para a prevenção de acidentes e incidentes aeronáuticos, bem como os serviços de manutenção em aeronaves da aviação geral e pequeno porte e os cuidados que seus proprietários devem possuir ao realizá-las.SÉTIMO SERVIÇO REGIONAL DE AVIAÇÃO CIVILACIDENTEPTKTQFALHA DO MOTOR EM VOOCUMPRIDA DE FORMA ALTERNATIVA
110/A/0303/07/2003Implementar, no Programa de Prevenção de Acidentes Aeronáuticos, palestras relativas à importância da supervisão das atividades de voo da aviação geral e de pequeno porte, por parte dos proprietários das aeronaves, quanto ao gerenciamento da utilização das mesmas pelos pilotos que as operam.SÉTIMO SERVIÇO REGIONAL DE AVIAÇÃO CIVILACIDENTEPTKTQFALHA DO MOTOR EM VOOAGUARDANDO RESPOSTA
111/A/0303/07/2003Programar uma Vistoria de Segurança de Voo na sede da FUNAI com o objetivo de efetivar uma Política de Segurança de Voo na Instituição, auxiliando-a na criação de um setor específico que cuide do pessoal de voo# e na promoção de um programa de treinamento (teórico e prático), avaliação de desempenho e acompanhamento sistemático de pilotos e mecânicos.SEXTO SERVIÇO REGIONAL DE AVIAÇÃO CIVILACIDENTEPTKTQFALHA DO MOTOR EM VOONÃO CUMPRIDA
112/A/03 - DIPAA (DAC)03/07/2003Criar um setor que cuide do pessoal de voo, de modo a promover uma consciência de Segurança de Voo.FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIOACIDENTEPTKTQFALHA DO MOTOR EM VOOAGUARDANDO RESPOSTA
113/A/0303/07/2003Promover um Programa de Treinamento (teórico e prático), avaliação de desempenho e acompanhamento sistemático de pilotos e mecânicos.FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIOACIDENTEPTKTQFALHA DO MOTOR EM VOOAGUARDANDO RESPOSTA
114/A/0303/07/2003Nomear um mecânico para acompanhar a realização dos serviços pelas oficinas de manutenção.FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIOACIDENTEPTKTQFALHA DO MOTOR EM VOOAGUARDANDO RESPOSTA
033/A/2014/10/2002Realizar Vistoria Especial de Segurança de Voo na empresa Táxi-Aéreo Weiss e verificar a aplicação do PPAA.QUINTO SERVIÇO REGIONAL DE AVIAÇÃO CIVILACIDENTEPTEFUPERDA DE CONTROLE NO SOLOAGUARDANDO RESPOSTA
043/B/2014/10/2002Enviar resumo deste acidente à INFRAERO, solicitando providências quanto à situação dos obstáculos existentes na cabeceira da pista 18 de Bacacheri e a operação do aeródromo em IFR e voo noturno.DIVISÃO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOSACIDENTEPTEFUPERDA DE CONTROLE NO SOLOAGUARDANDO RESPOSTA
160/A/02 - DIPAA (DAC)14/10/2002Confeccionar DIVOP desta ocorrência.DIVISÃO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOSACIDENTEPTEFUPERDA DE CONTROLE NO SOLOAGUARDANDO RESPOSTA
161/A/0214/10/2002Divulgar esta ocorrência em Seminários, Simpósios e Reuniões com usuários.SERVIÇO REGIONAL DE AVIAÇÃO CIVILACIDENTEPTEFUPERDA DE CONTROLE NO SOLOAGUARDANDO RESPOSTA
242/201203/07/2001Atuar junto à Bravo Helicópteros Escola de Aviação Civil, a fim de que ela estabeleça mecanismos de forma a possibilitar, por parte do comandante da aeronave ou seu preposto, o preenchimento correto das informações a serem lançadas no Diário de Bordo, que é o documento oficial para o registro dos voos.AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVILACIDENTEPTYZZPANE SECACUMPRIDA